JORNAL CIDADE EM FOCO AZ: 09/05/2011

notícias do Brasil e do Mundo

DRTV - RADIO ON LINE AO VIVO

Para pedir sua musica no xat ao vivo acesse: DRTV - RADIO ONLINE - Direção e Apresentação: Dj Dirceu e Rosangela Matos - Jornalista MTB 54903/SP
Um oferecimento de Revista Champagne News
Watch live streaming video from revistachampagnenews at livestream.com

Notícias de Portugal - David Luiz imita jornalista (veja o vídeo)


David Luiz, defesa-central do Chelsea, voltou a demonstrar a boa disposição que o caracterizou aquando da sua passagem pelo Benfica. Esse momento, de resto, ficou bem evidenciado perante uma jornalista da Chelsea TV. 

Sem que a repórter tenha notado a sua presença, o antigo defesa-central do Benfica, colocou-se atrás da câmara imitando os vários gestos feitos pela jonalista do clube inglês. Um momento de boa disposição que não escapou aos presentes...



fonte:  Fonte: http://www.abola.pt/nnh/ver.aspx?id=262204


Colaboraçao 


Contato do Jornal Cidade em Foco - Cidade de Lisboa em Portugal

Vidas Correio da Manhã .pt


A actriz Cameron Diaz revelou em entrevista à revista ‘Maxim’, da qual é capa da nova edição, que ‘sex’ é a palavra mais bonita do seu idioma, mas vai mais longe na sua ousadia.
Quando questionada sobre qual seria o desporto favorito, a actriz de 38 anos não hesitou e respondeu prontamente, entre risos: "É o sexo, claro."
colaboração: 
Contado do Jornal Cidade em Foco em Lisboa - Portugal



Notícias de Dubai - Wild Wadi Dubai



Wild Wadi Dubai



Wild Wadi Dubai ou Wild Wadi Water Park é considerado entre os dez melhores atrações de Dubai . Este é um daqueles poucos lugares onde você pode passar um dia inteiro com sua família e amigos ao mesmo tempo que as cargas de entretenimento e diversão. O hotel está idealmente localizado em Jumeirah, muito perto do Burj Al Arab. O Jumeirah Beach Hotel também está próximo - para que os clientes que colocam neste hotel não tem que gastar muito tempo na viagem para chegar ao hotel.
Wild Wadi Dubai é um tema popular parque aquático com várias opções de entretenimento e diversão. Tem uma piscina de ondas, juntamente com as lâminas de água, bem como várias máquinas artificiais surf. Tem uma das maiores lâminas de água que estão localizadas na região. Há também duas lojas de presentes no parque temático onde os hóspedes podem recolher as suas lembranças e artigos de presente. Há três restaurantes onde os visitantes podem encomendar as refeições suntuosas. Além disso, existem vários snack-stands, bem como, a partir de onde os hóspedes podem pegar itens para sua mastigando. O parque está disponível para hospedar empresarial e familiar eventos também.
Há muitos slides tradicionais Wild Wadi Water Park, que vão descer. Existem dois tipos de audiência regime em cada passeio - um, que inclui arranjo sessão única, e os outros, que inclui dupla sessão arranjo. Os passeios diferentes disponíveis para os visitantes que estão com fome de extrema diversão e emoção incluem - a fúria falcão, túnel de Doom, Rushing Rapids, Acrobacia Falls, eo Rapids Thunder. Família Ride é um outro passeio bem aceito, que você pode desfrutar com sua família inteira. Este é realmente um passeio de duas partes. Cimeira de pico é o primeiro semestre deste passeio emocionante, na qual os pilotos podem ter uma explosão para cima em uma área de piscina. A segunda parte do passeio é o Desfiladeiro Rushdown, na qual os pilotos são levados em uma ft 560 downhill slide.

Breakers Bay é outra atração do Wild Wadi Water Park. Isto é dito ser a maior piscina de ondas do Oriente Médio. Nessa piscina, os nadadores podem desfrutar de passagem e as ondas paralelas, que são quase 5 metros de altura e splash em várias configurações.

Se você gosta de alguma queda rápida e livre, então Jumeirah Sceirah é apenas para você. Isso é conhecido por ser o mais alto toboágua de queda livre. FlowRider Rides, Ripetide e Wipeout são os passeios para quem gosta de surf e gostaria de tentar surfar neste parque temático. Há surf estimuladores que disparam para fora a água em folhas grandes com várias folhas de espuma. Estes passeios são capazes de criar efeitos realistas, e os pilotos começar a sentir os efeitos da placa do joelho surf, body board surf ou outros tipos de surf.



Embora estes passeios no Wild Wadi Dubai estão abertas para todos, existem algumas restrições para aqueles que sofrem determinadas fobias ou doenças. Você precisa verificar essas possibilidades antes de decidir levar o passeio. Bebês e crianças devem sempre apreciar sob a orientação dos pais para garantir a sua segurança e proteção. Este é um grande entretenimento para todos os membros da família, não se esqueça de incluir uma visita ao Wild Wadi em sua viagem de Dubai , e você vai ser completamente satisfeita. Reservar Bilhetes online para obter descontos de Wild Wadi Water Park , também você pode ignorar a linha de acesso!


fonte: http://www.wildwadidubai.com/

Colaboração

Contato do Jornal Cidade em Foco em Dubai


Portugal - Morte de Bin Laden ‘vira’ jogo (COM VÍDEO)

Jornal Correio da Manhã - Portugal
fonte: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/internacional/insolito/morte-de-bin-laden-vira-jogo-com-video


Missão virtual na mansão de Abbottabad

Menos de uma semana após a morte de Osama bin Laden, chegou à internet um jogo de vídeo em que é possível recriar o ataque contra o líder da al-Qaeda na sua casa de Abbottabad.

Trata-se do mais recente episódio da saga Kuma War, um jogo de luta antiterrorista gratuito que está on-line há vários anos. No caso de ‘Osama 2011’, qualquer um pode vestir a pele de um SEAL, tomar de assalto a mansão de Abbottabad e abater o líder da al-Qaeda.


*Esta matéria foi enviada por um leitor do Jornal Cidade em Foco em Portugal, assista o vídeo da matéria e deixe seus comentários abaixo:

Portugal - Turista sobrevive após sete semanas perdida em floresta



Correio da Manhã - Portugal
Rita Chrétien, de 56 anos, e Albert, de 58, viajavam pelo estado norte-americano do Nevada, quando a carrinha em que seguiam avariou no meio de uma floresta. O homem saiu para ir procurar ajuda, deixando a mulher à sua espera na carrinha.
A turista conseguiu sobreviver durante sete semanas, alimentando-se inclusive de neve, tendo pedido entre nove a 14 quilos. Rita foi encontrada por caçadores, que alertaram as autoridades, e encaminhada para uma unidade hospitalar, onde está estável. O marido continua desaparecido.
Nos primeiros tempos, Rita alimentou-se de pequenos lanches que o casal levava consigo na carrinha e leu livros para passar o tempo. Mas depois a comida acabou e chegou a alimentar-se de neve para sobreviver.
O médico que observou Rita confirmou que estava muito perto de sucumbir à morte. "Estamos familiarizados com a fome no nosso trabalho, mas nunca tínhamos visto nada semelhante. Ela, obviamente, tem uma grande mentalidade de sobrevivência", disse.
Rita está agora a ser alimentada à base de líquidos e continua muito débil. "Estamos muito optimistas de que terá uma boa recuperação", sublinhou o médico.
Do marido ainda nada se sabe. Uma equipa de resgate procura Albert, mas não há qualquer pista do rumo que terá tomado, depois de ter deixado a mulher para procurar ajuda. Num terreno muito acidentado, as condições meteorológicas também não estão a ajudar, com a chuva e o vento a limitarem a visibilidade e impedirem a circulação de veículos.

fonte: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/ultima-hora/turista-sobrevive-apos-sete-semanas-perdida-em-floresta

Colaboração

                             Leitor do Jornal Cidade em Foco em Portugal

Notícias de Portugal - Cristiano Ronaldo a cinco golos de marca histórica

Jornal ABOLA.PT

Por Redacção

Com os quatro golos apontados ao Sevilha, no sábado passado, Cristiano Ronaldo já leva 33 golos apontados na liga espanhola, mais três do que Lionel Messi, do Barcelona e está a quatro golos de igualar uma marca histórica.

Mais do que CR7, só Zarra (1950/51) e Hugo Sanchez (1989/90) marcaram mais do que o português. O internacional português tem três jornadas para igualar ou ultrapassar a marca histórica.

Cristiano Ronaldo lidera o «Pichichi», o troféu de melhor marcador da liga espanhola e, com o Sevilha, fez quatro golos num só jogo pela segunda vez na carreira. O primeiro foi com o Racing Santander, em Novembro do ano passado, numa vitória por 6-1.



fonte: http://www.abola.pt/nnh/ver.aspx?id=262124

Notícias de Portugal - Apple vai lançar iPhone “low cost”


A Apple está a preparar um iPhone “low cost” para os chamados países emergentes, segundo adianta a casa de Bolsa Oppenheimer, citada pelo “Cinco Dias”.
A dúvida permanece sobre a data em que o mesmo será lançado, sendo que o seu preço rondará os 202€.
Este novo equipamento irá permitir à Apple aceder a cerca de 20 a 30 por cento do mercado global de telemóveis, competindo com a Nokia e a RIM.
A Oppenheimer prevê que a Apple venda 73 milhões de iPhones 


Colaboração
Esta matéria foi enviada por um leitor do  Jornal Cidade em Foco em Portugal

NASA poderá analisar o interior de Marte em 2016‏



A NASA seleccionou três projectos para eleger um a desenvolver em 2016, no âmbito do programa «Discovery», e que consistem em missões como a investigação do interior de Marte pela primeira vez, escreve a Lusa.
A NASA recebeu 28 propostas em Junho de 2010 no âmbito do seu programa «Discovery» e um painel de cientistas e engenheiros analisou-os e seleccionou três.
A agência espacial norte-americana fará em 2012 uma revisão dos trabalhos conceptuais para seleccionar um dos três projectos a desenvolver.


fonte: http://diario.iol.pt/tecnologia/nasa-marte-discovery-espaco-projectos-tvi24/1251394-4069.html

Colaboração

Achaque de policiais causou ataques do PCC

"Fachada do 74º DP (Taipas), atacado em 14 de maio. Conforme o estudo internacional, 'a corrupção policial teve um papel importante neste caso'"

Em março de 2005, um ano antes da rebelião em 74 presídios e dos ataques do Primeiro Comando da Capital (PCC) nas ruas do Estado de São Paulo, Rodrigo Olivatto de Morais, enteado de Marcos William Camacho, o Marcola, líder da facção, foi sequestrado por policiais civis de Suzano, na Grande São Paulo. Só foi solto depois que Marcola pagou o resgate de R$ 300 mil. O chefe do PCC ficou indignado com o achaque. No dia 12 de maio de 2006, véspera dos ataques do PCC, Marcola fez um comentário no Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic): 'Não vai ficar barato.'
No inquérito feito pela Corregedoria da Polícia Civil, o delegado assistente, Hamilton Antônio Gianfratti, depois de citar dados do sequestro, afirma que o crime ajudou a deflagrar a revolta do PCC. 'Aflora dos autos sérios indicativos direcionados à possibilidade deste fato erigir-se à causa deflagradora dos históricos e tristes episódios que traumatizaram o povo de São Paulo, traduzidos nos atentados em todo o estado pelo PCC.' O sequestro de Morais foi revelado pelo Estado em 2008.
Os achaques abusivos de policiais aos criminosos paulistas foram fundamentais para os ataques de maio de 2006. A conclusão é apontada em relatório intitulado 'São Paulo sob Achaque: Corrupção, Crime Organizado e Violência Institucional em Maio de 2006'. As pesquisas começaram a ser feitas em outubro de 2006 por 24 pesquisadores da organização não governamental (ONG) Justiça Global e pela Clínica Internacional de Direitos Humanos da Faculdade de Direito de Harvard, com apoio de outras entidades.
Trata-se da primeira tentativa de explicar o processo que levou aos ataques do PCC, cinco anos depois do acontecimento histórico paulista, que ainda não teve nenhum relatório ou documento oficial para tentar descrever os fatos. 'Assim como ocorreu em novembro nos ataques do Comando Vermelho no Rio de Janeiro, a corrupção policial também teve papel importante nos ataques de maio de 2006 em São Paulo. Isso foi pouco discutido por aqui. Entender as causas do ocorrido é importante para saber o que precisa ser mudado', afirma um dos coordenadores da pesquisa, Fernando Delgado, da Clínica de Direitos Humanos da Faculdade de Direito de Harvard.
A transferência em massa de líderes do PCC para penitenciárias de segurança máxima no interior e a tentativa de prejudicar o então candidato a presidência, Geraldo Alckmin (PSDB), identificado pelas lideranças presidiárias como responsável pelo Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), também foram importantes para a decisão dos criminosos. E sempre foram apontadas pelas autoridades como as causas principais dos ataques.
O desconhecimento do sequestro e dos constantes achaques atrapalharam as avaliações. Nem o ex-secretário de Administração Penitenciária, Nagashi Furukawa, nem o então governador do Estado, Claudio Lembo, souberam à época do caso. Nagashi, por exemplo, sempre atribuiu a revolta dos criminosos à transferência maciça dos presos. 'Eu não tinha informações sobre o sequestro e por isso nunca fez parte da minha avaliação', explicou Furukawa.
Sete mortos. O promotor Marcelo Alexandre de Oliveira, que atuou no caso do sequestro do enteado de Marcola, concorda que a corrupção policial foi importante para provocar os ataques. Ele cita outro caso ocorrido em Suzano, protagonizado pelo investigador Augusto Peña, o mesmo que em 2005 havia se envolvido no sequestro de Marcola. Segundo investigações, policiais de Suzano negociaram a fuga de um integrante da cadeia por R$ 40 mil. Mas a fuga acabou não acontecendo.
Os bandidos foram cobrar a dívida. Em abril de 2006, um mês antes do ataque, integrantes do PCC promoveram atentados à delegacia que resultaram em sete mortes - duas vítimas eram carcereiros. 'Entre 2005 e 2006, vivíamos o auge da corrupção policial aqui na região. Os casos não paravam de estourar. A situação melhorou depois que a Corregedoria de Polícia passou a ser vinculada ao gabinete da Secretaria de Segurança. Mas é difícil saber até quando isso vai durar', diz o promotor.
O Estado conseguiu falar com o secretário de Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto. Ele concorda que a corrupção policial era intensa naquela época e afirma que por esse motivo tem centrado seus esforços no combate ao problema. O atual secretário de Transporte e Logística, Saulo de Castro Abreu Filho, que era Secretário de Segurança durante os ataques, não quis comentar o tema.

FONTE: http://estadao.br.msn.com/ultimas-noticias/artigo.aspx?cp-documentid=28663174




Confome sugerido pelo leitor do Jornal Cidade em Foco em Michigan - E.U.A sob o pseudônimo [ (do grego antigo ψευδώνυμος, composto de ψευδο- "pseudo-" e ὄνομα "nome", ou seja, "nome falso"), é um nome fictício usado por um indivíduo como alternativa ao seu nome legal.]  de  "CÃO" , 

segue abaixo o SIGNIFICADO DA PALAVRA  "ACHAQUE"



Significado de " Achaque "

s.m. Padecimento sem gravidade.
Fig. Vício, defeito moral, imperfeição.
Pretexto, motivo.
Lamúria, chasco.





Aproveitamos a oportunidade para agradecer aos leitores  de  Michigan - E.U.A  



na pessoa do leitor   "CÃO", pelas visualizações e acessos diários ao Jornal Cidade em Foco.







Brasil - Amazonas - Como a aliança entre Aveda e iauanauás deu poucos frutos

John Lyons/The Wall Street Journal
Crianças iauanauás e o urucum: produção da tribo ainda é muito pequena.

John Lyons
The Wall Street Journalde Mutum, Amazonas
Num remoto povoado da Amazônia, a um dia inteiro de canoa da estrada mais próxima, um grupo da tribo iauanauá com saiotes de capim está reunido ao redor de uma pilha de urucum, uma fruta espinhosa usada para as pinturas no corpo, e posa para dois fotógrafos da fabricante americana de cosméticos Aveda.
As imagens ajudarão a Aveda, filial da Estée Lauder, a vender sua popular linha de batom, sombra e pó compacto Uruku, que usa a planta como corante. A empresa pode cobrar mais por produtos com bom aspecto que, ao mesmo tempo, ajudam a salvar a selva amazônica propiciando um modo de vida sustentável aos índios.
Mas há algo errado na foto. Para começar, os iauanauás não produzem muito urucum. Entre 2008 e 2010 eles não entregaram uma única fruta à Aveda. O urucum em si não é tão exótico quanto a Aveda o descreve num alegre vídeo no seu site, em estilo de documentário. Chamado em inglês de annatto, é um corante de alimentos barato cultivado no mundo inteiro para dar a produtos como o Macarrão com Queijo da Kraft um tom alaranjado.
A aliança de duas décadas da Aveda com os iauanauás é um dos testes mais longevos do conceito de que grandes empresas podem lucrar e também ajudar o planeta por meio de relacionamentos empresariais com povoados na floresta, dando a eles o poder de proteger suas terras. Serve também como alerta para os enormes obstáculos logísticos e culturais que podem impedir que relacionamentos como esses funcionem da maneira alardeada.
Há poucas dúvidas de que a Aveda ajudou a tribo de várias maneiras importantes, melhorando o acesso à saúde, educação e serviços governamentais. Mas o empreendimento não conseguiu tornar os iauanauás autossuficientes. O valor de mercado da safra em média é de US$ 500, pouco para sustentar uma população de 700 pessoas. Além disso, a tribo não tem outros clientes além da Aveda. O projeto basicamente é uma forma de filantropia hoje em dia, em que a tribo recebe ajuda da Aveda em troca de pequenas quantidades de urucum e uma narrativa edificante.
Para complicar ainda mais a questão, a Aveda coopera agora com cerca de metade da tribo, depois de um conflito entre dois líderes ter gerado um racha entre os iauanauás que querem e os que não querem fazer negócio com a empresa.
Numa entrevista em fevereiro ao Wall Street Journal, o diretor-presidente da Aveda, Dominique Conseil, reconheceu que o empreendimento não propiciou aos iauanauás o tipo de modelo econômico sustentável que a Aveda tinha em mente há 18 anos, mas disse que o projeto ainda está evoluindo. Ele disse que a empresa ajudou a tribo a reviver sua linguagem e tradições, e mais que dobrar sua população num momento em que muitas tribos amazônicas estão esquecendo a língua e migrando para as cidades. Ele descreveu o racha dos iauanauás como uma questão interna em que a Aveda não está envolvida.
Na entrevista, Conseil também disse que a tribo é a principal fornecedora de urucum da empresa. Mas em abril a Aveda informou num e-mail que "houve um mal entendido" e ela também compra de outras fontes, como a Chr. Hansen, uma empresa dinamarquesa que produz corantes naturais para alimentos.
O envolvimento da Aveda com os iauanauás já é mais duradouro que outros empreendimentos criados na era dourada dos acordos para salvar a floresta amazônica, há 20 anos. A maioria fracassou. Um acordo de 1991 entre os índios caiapós e a The Body Shop para fornecer óleo de castanha-do-pará ruiu por causa de uma disputa sobre pagamentos e marketing. A fabricante americana de sorvetes Ben & Jerry parou de fabricar o sabor "Rainforest Crunch" em 1997, depois que se revelou que muitas castanhas da sobremesa na verdade não vinham realmente de fornecedores na selva, que não conseguiam atender à demanda.
O conceito de preservar o meio ambiente comprando ingredientes das pessoas que vivem nas regiões ameaçadas voltou a se popularizar com o crescimento vertiginoso da demanda por produtos como café e chocolate "fair trade", ou de comércio justo. Mas, diferentemente da abordagem da Aveda, em que os executivos embarcam em canoas e entram na mata para fazer negócio com tribos isoladas, muitas empresas trabalham agora com intermediários, ONGs que "certificam" cooperativas agrícolas no mundo inteiro. Grupos como a Fairtrade Foundation e a Rainforest Alliance garantem que essas cooperativas agrícolas produzam com o mínimo de impacto nas florestas e paguem um salário decente aos trabalhadores, entre outras coisas.
Mais de 5.000 empresas, como Starbucks, Avon e Kraft Foods, agora vendem esses produtos com o logotipo da Fairtrade ou da Rainforest Alliance. O mercado mundial de alimentos "certificados como sustentáveis" e produtos florestais valia US$ 56 bilhões em 2010, ante US$ 42 bilhões em 2008, segundo o centro de estudos EcoAgricultures Partners, de Washington.
Pessoas que estudam o setor dizem que esses acordos podem melhorar as condições comerciais dos produtores rurais e também oferecer incentivos para proteger as terras. Eles são menos ambiciosos que a abordagem da Aveda, o que significa que são menos arriscados para a empresa e a comunidade.
São admiráveis os esforços para levar um modelo favorável ao meio ambiente para tribos isoladas que atualmente não comercializam seus produtos mundialmente, mas as chances de sucesso são poucas, diz Jason Clay, que ajudou a Ben & Jerry a lançar o sabor Rainforest Crunch no fim dos anos 80 e hoje integra a diretoria do World Wildlife Fund. "As expectativas são irrealistas para as comunidades isoladas, muitas vezes sociedades de escambo, em que a capacitação é muito limitada e há complexidade de língua, cultura e isolamento."
Para a Aveda, o caso dos iauanauás é parte importante dos cerca de US$ 400 milhões que fatura mundialmente, a maior parte com produtos de beleza, e a inspirou a criar uma rede de relacionamentos no mundo inteiro. A empresa compra sementes de argania de mulheres berberes em Marrocos e óleo de sândalo de aborígenes australianos. Os produtos da Aveda são vendidos principalmente por esteticistas enquanto cortam cabelo ou dão massagens faciais para clientes em centenas de salões de beleza no mundo inteiro. Os profissionais são instruídos para descrever como os iauanauás e outras comunidades de locais distantes fornecem para a Aveda os ingredientes exóticos por meio de parcerias, para cumprir a missão da empresa de "cuidar do mundo em que vivemos".
"Mais do que uma garrafa de xampu, o que vendemos para nossos profissionais é uma visão de mundo, um conjunto de valores que compartilhamos e uma maneira peculiar de fazer negócio", disse Conseil, um executivo educado na França que estudou antropologia antes de fazer administração.
A tribo e a empresa se uniram pela primeira vez em 1993, 15 anos depois de a Aveda ser fundada em Blaine, no Estado americano de Minnesota, por Horst Rechelbacher. Conhecido por ajudar a popularizar o termo "aromaterapia", Rechelbacher, um cabelereiro austríaco, criou um nicho usando ingredientes naturais em xampus, como o cravo, numa época em que a maioria dos produtos consistia puramente de químicos.
Rechelbacher diz que se convenceu no fim dos anos 80 de que poderia ajudar a floresta amazônica obtendo ingredientes da própria Amazônia.
"Éramos muito idealistas naquela época. Não era só salvar o planeta; também tinha a ver com lucro", diz. "Sempre achei que podia fazer os dois, e ainda acho."
Por meio de antropólogos que conheceu na Eco 92, no Rio, Rechelbacher foi apresentado a Biraci Brasil Yawanawá, na época um líder indígena em ascensão que buscava a salvação econômica de sua tribo. Os iauanauás tinham acabado de emergir de um período de trabalho escravo para seringueiros que os forçavam a trabalhar em troca de coisas básicas como sal. A tribo, que só entrou em contato com a civilização há duas gerações, tinha sido dizimada por doenças, vivia na pobreza e estava perdendo sua cultura e língua próprias.
Rechelbacher e Biraci Brasil encontraram uma causa em comum no urucum, usado há séculos pelos índios amazônicos para realizar pinturas decorativas no corpo e para se proteger do sol e de insetos. Numa cerimônia que durou a noite toda, ele e os índios tomaram o chá alucinógeno de ayahuasca e fecharam um acordo para a tribo fornecer urucum à Aveda.
"Passei muito mal, mas aí vi que o xamã também estava vomitando, então não me senti tão mal", recorda Rechelbacher.
Para administrar o projeto, a Aveda contratou May Waddington, uma antropóloga brasileira que ajudou a organizar a Eco 92. A Aveda também levou dois jovens iauanauás para os EUA para aprender inglês. Um deles era o primo mais novo de Biraci Brasil, Tashka Yawanawá, um prodígio da tribo que já tinha ido à faculdade para estudar ciência da computação — e que voltaria anos depois para desafiar a liderança de Biraci.
O projeto foi criado nos moldes de "não dê o peixe, ensine a pescar". A empresa previa que com algum tipo de ajuda inicial a tribo iauanauá se tornaria autossuficiente em dois anos, produzindo urucum suficiente para vender à Aveda e outros compradores no mundo inteiro. A Aveda pagou adiantado US$ 50.000 para a tribo comprar mudas e equipamentos. A empresa remeteu à tribo cerca de US$ 200.000 nos primeiros cinco anos, antes de a produção de urucum realmente aumentar.
A cultura dos iauanauás começou a florescer. Os anciões da tribo ensinaram à nova geração antigas músicas, danças e jogos, praticamente esquecidos na época de trabalho escravo para os seringueiros. A língua dos iauanauás se tornou parte do currículo de uma nova escola erguida pela Aveda.
Mas a colheita de urucum é que não ia muito bem. Demorou vários anos para se conseguir uma safra útil, que gerou quatro toneladas num ano bom. As outras safras foram menores, prejudicadas pelo mau clima ou danificadas pelo mofo na longa e úmida viagem da selva para a cidade mais próxima e de lá para São Paulo.
Em 2001, uma velha rivalidade entre Biraci e o primo Tashka dividiu a tribo. Alguns integrantes reclamavam há anos da maneira como Biraci distribuía os produtos comprados com recursos da Aveda, segundo líderes tribais. Agora fluente em inglês, Tashka voltou ao Brasil e começou a pressionar para assumir o controle do projeto da Aveda. Uma assembleia tribal acabou votando para que ele substituísse Biraci.
A parte da tribo que ficou com Biraci acabou cancelando o acordo com a Aveda e agora está buscando novas fontes de receita, como turismo e fabricação de mobílias. Tashka tem o apoio do resto da tribo e está trabalhando com a Aveda para reiniciar a produção de urucum no povoado de sua família, em Mutum. Os índios conseguiram em fevereiro produzir a primeira safra usável desde 2007, de 64 quilos. A Aveda gostaria de comprar duas toneladas este ano, diz Conseil, o diretor-presidente.

Veja também

Notícias mais vistas dos últimos 30 dias

SEGUIDORES ILUSTRES

Pensamento do Dia - colaboração do Leitor do Jornal Cidade em Foco Sr Marcos Roberto SP/SP

O que não te destrói, te fortalece.



Por mais que pareçam difíceis seus problemas, use-os como instrumento a seu favor, um dia verás que conseguiu superar e foi vitorioso. Fique firme, não desista, lute e conquiste, estamos torcendo por você.
Palavras da Redação do Jornal Cidade em Foco

Nossos leitores em 151 países do Mundo - Our readers in 119 countries

Redação - dra.rosangelamatos@hotmail.com

Nossos Seguidores no Twitter @DraRosangelaM

Visitantes

Mural de Recados

"este espaço acima é reservado aos internautas, fiquem a vontade, façam bom uso"