notícias do Brasil e do Mundo

DRTV - RADIO ON LINE AO VIVO

Para pedir sua musica no xat ao vivo acesse: DRTV - RADIO ONLINE - Direção e Apresentação: Dj Dirceu e Rosangela Matos - Jornalista MTB 54903/SP
Um oferecimento de Revista Champagne News
Watch live streaming video from revistachampagnenews at livestream.com

EUA apostam em ex-soldados para melhorar ensino em escolas


Muitos desses educadores têm dado aulas nas regiões periféricas das cidades grandes


Muitos ex-militares compartilham da origem sócio-econômica dos alunos

O programa americano Troops to Teachers (algo como de soldados a professores, em tradução livre), que já transformou milhares de ex-soldados em professores, vêm sendo saudado por seu êxito e já está atraindo a atenção de políticos internacionais.
Há 18 anos, o governo dos Estados Unidos decidiu tentar algo novo, e lançou um projeto que usa militares veteranos dos Estados Unidos como educadores. O Troops to Teachers foi lançado após a primeira Guerra do Golfo e, desde seu surgimento, 15 mil militares já se tornaram professores.
Muitos desses novos educadores têm dado aulas em regiões periféricas das grandes cidades, onde predominam alunos de baixa renda.
O programa de TV da BBC Panorama esteve no Estado americano da Virgínia, onde entrevistou militares que estão trazendo a sua versão de disciplina para a sala de aula.
Na área da escola Huntington Middle School, em Newport News, na Virgínia, o índice de crimes e de assassinatos equivale ao dobro da média nacional. Na cidade, a cultura das gangues é dominante e ensinar está longe de ser fácil.
Segundo a diretora da escola Huntington, Cleo Holloway, "nesta comunidade, levar um tiro é a normal''. Cleo é responsável por 600 alunos que têm entre 10 e 13 anos de idade.
- Se você perguntar para qualquer um se já levou um tiro, eu poderia quase que seguramente garantir que 95% dos meus garotos irão levantar a mão e dizer 'sim''.
A maior parte deles mora em conjuntos habitacionais nos arredores da escola. E os estudantes são majoritariamente negros. Além disso, 90% dos alunos recebem refeições gratuitas, oferecidas pela Hungtington Middle School aos alunos comprovadamente de baixa renda.
Sem gritaria
Na Huntington Middle School, os alunos do major aposentado Linkwood Jenkins só podem entrar na sala de aula após terem entrado em uma fila e respondido a algumas perguntas.
- Eu digo aos meninos que você precisa saber alguma coisa para entrar aqui. Estou exigindo deles, mas também fazendo com que a coisa seja divertida.'
As técnicas utilizadas para manter os alunos concentrados em suas lições estão longe do estereótipo militar. Ninguém grita com os alunos e nem os faz marchar no pátio. Na Huntington, raramente alguém levanta a voz.
O ex-sargento Jeff Lloyd, atualmente um professor de estudos sociais, explica o método utilizado.
- 'Não creio que eu tenha que gritar com você, não creio que eu tenha de te diminuir, não tenho que fazer nenhuma dessas coisas para fazer com que você alcance a auto-disciplina. Entre os militares, ninguém está fazendo isso tampouco, não é assim que você consegue fazer com que homens façam o que você espera deles. Você faz isso através de relacionamentos e é isso que eu acredito que nós estejamos construindo aqui, relacionamentos com estudantes.'
Dedicação
A diretora Cleo Holloway exige enorme dedicação de seu corpo de professores. Mas afirma que dedicação é o que não falta à sua equipe de educadores ex-militares.
Pesquisas acadêmicas endossam a visão de Holloway. O professor Bill Owings, da Old Dominion University, em Norfolk, na Virgínia, perto da região da Huntington Middle School, estudou a eficácia do Troops to Teachers.
Ele disse que os diretores das escolas prezam a extrema dedicação dos professores com passado militar. De acordo com Owings, a postura dos educadores é a de dizer:
- 'Estamos aqui para fazer com que o trabalho seja feito, quer tenhamos que chegar cedo, ficar até mais tarde, visitar as casas deles ou ir até à comunidade deles. Vamos fazer o que tivermos que fazer. Seguramente temos mais resultados com nossos investimentos em professores ex-militares.'
A pesquisa de Owings revela que outra das razões para o sucesso dos veteranos militares é que a origem sócio-econômica de muitos educadores é similar à dos pupilos. É o caso do sargento Jeff Lloyd. '
- Nos primeiros nove anos da minha vida, nós não tínhamos absolutamente nada. Éramos muito pobres, viemos da periferia, eu estive lá. Conheço a vida desses garotos. Quanto mais pudermos fazer para que eles entendam que alguém que se parece com eles pode ser bem-sucedido, maiores as chances de firmarmos uma parceria com eles e de sermos bem-sucedidos.
A coroação do êxito da Huntington Middle School é que ela está obtendo sucesso acadêmico. Na sexta série, mais de 80% dos alunos foram aprovados nos testes estaduais.
Inspiração
O projeto norte-americano também vem inspirando iniciativas semelhantes em outras partes do mundo.
Na Grã-Bretanha, o governo tem planos de financiar um programa que permitiria que ex-militares se tornassem professores em escolas estaduais, primeiro na Inglaterra e, em uma etapa posterior, no restante do país.
Nesta segunda-feira (28), o governo pretendia anunciar um plano no valor de 1,5 bilhões (cerca de R$ 4 milhões), para impulsionar a Skillforce, uma organização não-governamental que traina ex-militares em escolas, visando, em especial, o ensino de pessoas de baixa renda.

Veja também

Notícias mais vistas dos últimos 30 dias

SEGUIDORES ILUSTRES

Pensamento do Dia - colaboração do Leitor do Jornal Cidade em Foco Sr Marcos Roberto SP/SP

O que não te destrói, te fortalece.



Por mais que pareçam difíceis seus problemas, use-os como instrumento a seu favor, um dia verás que conseguiu superar e foi vitorioso. Fique firme, não desista, lute e conquiste, estamos torcendo por você.
Palavras da Redação do Jornal Cidade em Foco

Nossos leitores em 151 países do Mundo - Our readers in 119 countries

Redação - dra.rosangelamatos@hotmail.com

Nossos Seguidores no Twitter @DraRosangelaM

Visitantes

Mural de Recados

"este espaço acima é reservado aos internautas, fiquem a vontade, façam bom uso"